Alergia a tecido – O que fazer

Qualquer alergia é inconveniente mas a alergia a tecido pode ser muito complicada. Vamos entender porquê?


 

Em primeiro lugar, as erupções cutâneas devido a alergia a tecido são problemas comuns que muitas pessoas têm em qualquer época do ano.

Nariz escorrendo e espirros são os primeiros sinais que percebemos.

Entretanto, quando as erupções cutâneas coçam, as pessoas geralmente atribuem as alergias a várias causas diferentes. 


 

Normalmente, as pessoas não pensam primeiro em alergia a tecido mas sim em alergias alimentares, animais de estimação e medicamentos.

Igualmente, pensamos em sabonetes, detergentes, perfumes e outros produtos de higiene pessoal usados ​​na pele.

No entanto, as pessoas não devem ignorar as roupas como uma possível causa de erupções cutâneas alérgicas.

Aliás, vários produtos químicos e materiais usados ​​nas roupas podem causar dermatite de contato alérgica. 


Antes de mais nada, a dermatite de contato é uma irritação na pele com muita coceira que forma pequenas saliências vermelhas ou até bolhas.

Essa irritação é um importante sinal da reação alérgica.

Normalmente, a erupção cutânea limita-se ao local de exposição ao alérgeno. 

Alergia a tecido
Alergia a tecido – Fonte: Canva PRO

Alergia a tecido pela presença de níquel

Provavelmente, a causa mais comum de alergia a roupas é a dermatite de contato por níquel. 

Encontramos o níquel em botões de pressão e rebites em calças (especialmente jeans), camisas e jaquetas, bem como em cintos e outros acessórios. 


 

Erupções cutâneas com coceira ao redor do umbigo são geralmente causadas por alergia ao níquel devido à roupa.

 

Alergia a tecido com devido à borracha

O elástico em roupas e sapatos é outra causa comum de alergia a roupas. 

Erupções na cintura, pulsos, tornozelos e pés seriam locais que sugerem a presença de alergia a compostos de borracha.

Por exemplo, relógios de pulso com pulseiras de borracha podem ser a causa da irritação.

Existem vários alérgenos potenciais diferentes na borracha que podem causar dermatite de contato; estes incluem compostos de carbono, borracha preta e várias outras substâncias. 

 

Formaldeído

O formaldeído  é um conservante usado para dar acabamento a tecidos duráveis ​​de prensagem. 

As roupas de “prensa permanente” ou “sem rugas” contém formaldeído para manter a forma da roupa e prevenir as rugas. 

A dermatite de contato ao formaldeído nas roupas pode causar erupções cutâneas nas laterais do corpo, nas costas (atrás das axilas), nas laterais do pescoço e na frente das coxas, que são as áreas do corpo nas quais as roupas têm mais contato.

Portanto, fique atento à roupas com a vantagem de que não amassam.

Pigmentos

Vários pigmentos diferentes nas roupas também podem causar dermatite de contato.

“Azul disperso 106” é um pigmento azul escuro usado para colorir roupas de azul escuro, marrom, preto, roxo e verde. 

Como o azul disperso 106 está relacionado à fenilenodiamina, é possível que pessoas com  alergia a tintura de cabelo também tenham risco aumentado de reações alérgicas a esse pigmento. 

Da mesma forma, o dicromato de potássio é um pigmento usado para fazer tecidos e mesa de sinuca em um tom verde brilhante. 

É bem conhecido que ele causa dermatite de contato, sobretudo em pessoas que trabalham com couro, tintas e cimento. 

Por último, o cobalto é outro pigmento que dá uma cor azul brilhante ou outros matizes feitos dessa cor primária (como o verde brilhante). 

O cobalto também é uma causa conhecida de dermatite de contato, sobretudo em pessoas com alergia ao níquel.

 

Recomendações

Desse modo, há várias dicas que as pessoas com possível alergia a roupas devem seguir:

  • Pessoas com alergia ao níquel devem evitar roupas com fechos de metal, botões e zíperes e / ou substituí-las por fechos de plástico. 

 

  • Cubra todos os fechos de metal, como o rebite em jeans, com um pedaço de fita de tecido para não esfregar na pele do abdômen.

 

  • Da mesma forma, pessoas com alergia à borracha devem evitar roupas com elásticos e portanto precisam removê-las ou substituí-las por cordões.

 

  • O formaldeído nas roupas pode ser evitado lavando as roupas antes de vesti-las, bem como não usando roupas “sem rugas”, “que não sejam passadas a ferro” ou “permanentes”.

 

  • Pessoas com alergia a pigmentos devem lavar as roupas uma ou mais vezes antes de vesti-las, a fim de tirar o máximo possível do excesso de pigmentos. 

 

  • Evitar cores escuras (como azuis, pretos, marrons e verdes); em contrapartida, usar cores claras (como brancos, amarelos, beges e laranjas) evitará muitos dos pigmentos comuns suspeitos de causar dermatite de contato.

 

Portanto, alergia a tecido é mais comum do que se pensa mas as pessoas não imaginam que o tecido seja a causa.

Se este artigo foi útil para você então compartilhe com sua família e amigos, sobretudo com aqueles que você sabe que têm alergias mas não sabem o quê fazer. Até a próxima!

 


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.